• 15ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Contra-Ataque: Si c’est faute d’adieu, au revoir

    Sérgio Monteiro

    O futebol é mesmo cíclico. Nunca pensei que diria isso, mas…tchau, Sampaoli. Adiós! Aurevoir! Algo me diz que não sou o único a torcer para o sim do treinador argentino ao Olympique de Marselha, da França. Boa parte dos atleticanos com quem conversei nos últimos dias sustenta o mesmo desejo. E, ao que tudo indica, a diretoria alvinegra também.

    O projeto do Galo, apoiado por seus principais investidores, é muito bom e em um primeiro momento a permanência do treinador por pelo menos dois anos era vista como crucial para o seu êxito. Mas Sampaoli tem irritado insistentemente o maior patrimônio do clube, que é o seu torcedor.E parece que até mesmo alguns dirigentes.

    Dentro de campo, o trabalho é considerado bom, apesar das últimas apresentações do time estarem colocando uma pulga atrás da orelha de todos. A performance do time diante de Goiás e Fluminense, nas últimas rodadas, foi decepcionante e praticamente afastou qualquer possibilidade de título, ainda que haja chance matemática. Vendo o Atlético jogar na derrota em Goiânia e no empate no Rio de Janeiro mal dá para crer que o time tem alguma aspiração nesse Campeonato Brasileiro. O time praticamente abdicou da taça. Mas é fato que o Galo integra o G-4 do Brasileirão desde o seu início, o que não acontecia faz tempos.

    As insistências com o goleiro Everson e com o atacante chileno Vargas também vêm desgastando a relação entre o treinador, a torcida e a cúpula de dirigentes alvinegros. Assim como as constantes invencionices. Uma hora Alonso é improvisado na lateral, outra hora Arana vai para o meio. Contra o Goiás, Savarino, um dos destaques do time na temporada, foi deslocado para o lado esquerdo e seu rendimento caiu de forma contundente.

    Mas o principal problema do treinador, como tem sido em toda sua carreira, é fora das quatro linhas. A convivência com atletas e funcionários do clube, embora ninguém confirme, parece bem complicada. Assim como as negociações com o argentino. Sampaoli tem contrato com o Galo até o final deste ano, mas a diretoria já fez os primeiros contatos para a renovação por mais uma temporada. E o treinador teria apresentado mais uma série de exigências megalomaníacas, bem ao seu estilo.

    Isso tudo provavelmente porque o Olympique de Marselha já fez uma sondagem e estaria prestes a apresentar uma proposta para que o técnico troque BH pela França. Essa carta na manga é tudo o que ele precisava para fazer jogo sujo com a diretoria atleticana. E isso vai cansando, apesar da sua inegável competência.

    O leilão que se avizinha pode ser extremamente prejudicial ao clube e o projeto não pode parar. Com todo mérito, Sampaoli ajudou a montar um elenco interessante, que promete ser ainda mais forte na temporada que se inicia no final do mês. Hulk e Dodô já foram apresentados e novos nomes estão em pauta, como o argentino Nacho Fernández, que tem tudo para ser a cereja do bolo se realmente for contratado.

    Cabe à direção do clube, mais especificamente ao presidente Sérgio Coelho e ao diretor de futebol Rodrigo Caetano darem sequência nas negociações e na proposta de fazer um Atlético campeão em 2021 e nos próximos anos, independente de Sampaoli. O Galo não pode ser refém do treinador, que parece não entender que o clube é muito maior do que ele. Até mesmo porque há outros nomes no mercado com a mesma capacidade para dar sequência ao trabalho iniciado pelo argentino. Alguns até mais baratos. Nos últimos dias, foram ventilados nomes como o do também argentino Gallardo, do português Jorge Jesus e dos brasileiros Renato Gaúcho e Cuca. Todos eles têm plenas condições de levar o alvinegro a grandes conquistas.

    Diante desse cenário e pelo bem do clube, digo em alto e bom som para Sampaoli: si c’est faute d’adieu, au revoir! Vai agora em português bem claro para que o leitor não precise recorrer ao google tradutor: se for por falta de adeus, tchau! Ah, e Et emmène Everson et Vargas avec toi!

     

    Imagem

     

    Crédito –Bruno Cantini/Agência Galo