• 22ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Você escuta, mas não entende?

    Por Carla Abrão

    Estudos sobre o Processamento Auditivo Central são relativamente recentes e surgiram da necessidade de se compreender porque indivíduos com audição dentro dos limiares de normalidade apresentavam queixas de desatenção e problemas na comunicação. Esses estudos também são fundamentais uma vez que o distúrbio do Processamento Auditivo pode ser confundido com Hiperatividade, Transtorno do Déficit de Atenção e outras dificuldades de aprendizagem.

    O Processamento Auditivo Central é a maneira com que o indivíduo transforma o sinal auditivo que recebe em informação funcionalmente útil, como compreende o que é falado.

    Para que isso ocorra normalmente, várias habilidades auditivas estão envolvidas: localização, atenção, memória, discriminação auditivas entre outras.

    Os profissionais das áreas da saúde e educação devem ficar atentos a algumas características que podem sinalizar uma Desordem do Processamento Auditivo Central:

    -desatenção;

    -uso frequente da pergunta “ hã? “;

    -não acompanhar uma conversa com muitas pessoas falando ao mesmo tempo;

    -se atrapalhar ao contar uma história ou dar um recado;

    -não atender prontamente quando chamada;

    -agitação ou quietude;

    -dificuldades escolares;

    -trocas de letras na escrita ou espelhamento;

    -dificuldade em reconhecer direita e esquerda;

    -dificuldade para falar o “R “e o “L “;

    -letra feia …

    É importante ressaltar que as habilidades auditivas podem ser avaliadas e treinadas. Uma avaliação auditiva completa associada a testes especiais para avaliar a audição central são fundamentais para detectar quais habilidades estão prejudicadas e direcionar o tratamento fonoaudiológico.

    O conhecimento e a detecção das Desordens do Processamento Auditivo Central podem ser fundamentais para o desenvolvimento escolar adequado de algumas crianças.

    Procure um fonoaudiólogo, ele é o profissional habilitado para avaliar, treinar e orientar professores e família sobre como ajudar as pessoas com DPAC.

    Referência bibliográfica: PEREIRA, L. D., SCHOCHAT, E. (Orgs) Processamento Auditivo Central: manual de avaliação. São Paulo: Lovise, 1997.

     

    NOTA DA REDAÇÃO: Carla Abrão, CRFa 3103- MG, é Graduada em fonoaudiologia pela Universidade católica de Petrópolis; Pós – graduada em Voz; Aperfeiçoamento em linguagem com ênfase em Autismo; Curso de extensão em práticas clínicas de linguagem com ênfase em Autismo; Aperfeiçoamento em Linguagem; Aperfeiçoamento em Intervenção nos TEA; Oficina de Estímulos à Rua Visconde de Carandaí, 96;

    Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Aceitar Saiba Mais