Reminiscências

Francisco Santana

A nossa história é muito importante. Muitos acontecimentos ficam gravados em nossa mente que age como um arquivo. Gratidão a Deus pela sobrevivência e poder dividir com você um pouco desse arquivo. É provável que muitos fatos que narrarei você se lembrará. Na área esportiva, principalmente no futebol, tive o privilégio e a honra de ver jogar, Pelé, Garrincha, Zico, Tostão, Dirceu Lopes, Reinaldo, Ronaldo Fenômeno, Ronaldo Gaúcho, Rivelino e Romário.  Na moda eu me lembro do ano de 1964, quando uma jovem estilista inglesa chamada Mary Quant, considerada o ícone da emancipação feminina, lançou na França a revolucionária “minissaia”. A sociedade mundial classificou essa vestimenta como escandalosa e ousada. As mulheres deixavam à amostra um bom pedaço de coxas e hoje? Vi nascer movimentos interessantes que tiveram comportamentos liberais como os hippies, cuja ideologia era de paz e amor. Festival de Música e Arte de Woodstock realizado em agosto de 1969 numa fazenda em Bethel, Nova Iorque, onde compareceram mais de 400 mil pessoas. Ele foi considerado um movimento de contracultura dos anos 60. Lembro-me de cantores e conjuntos que saíram dessa fazenda para fazer sucesso no mundo como: Joan Baez, Santana, Jane Joplim, Creedence Clearwater Revival, The Who, Jefferson Airplane, Joe Cocker, Blood, Sweet & Tears, Crosby Stills, Nash & Young, Jimi Hendrix entre outros. Até hoje uma canção me faz vibrar e a ouço constantemente, “San Francisco” interpretada por Scott Mackenzie. Os hippies trajavam uma indumentária diferenciada. Como eram as roupas dos hippies Santana? Eram conhecidas por sua fluidez, conforto e estampas vibrantes. Vestidos longos e soltos, batas, calças boca de sino, saias fluidas e shorts de tecido. Conheci muitos amigos que abraçaram a causa e a ideologias deles. Muitos deles eram fumantes de maconha que na época era um escândalo.

Os Beatles paralisaram-me.  Salve, Paul McCartney, John Lennon, Ringo Starr e George Harrison, vocês continuam encantando-me. Help! Something! Na época eu estudava inglês e tentava traduzir as letras. A professora me alertou dizendo: “traduzir é trair ou matar a ideia ou o pensamento do autor”. Acompanhei a trajetória e sucesso dos Jackson Five e do talentoso Michael Jackson. Sempre apreciei a boa música. Interagia muito com a bossa nova, estilo musical brasileiro que despontou com os talentos de João Gilberto, Tom Jobim, Roberto Menescal, Carlos Lyra e Vinicius de Moraes dentre outros renomados artistas.  Você deve se lembrar com das músicas, “Chega de saudade”, “Águas de março”, “Wave”, “A felicidade”, “Falando de amor”, “Garota de Ipanema”, “Desafinado”, “Brigas nunca mais”,  “O barquinho”, “Você” e, “Nós e o mar”. Garanto que esteja cantando-as nesse instante.  Vibrei muito com a inteligência das letras musicais do talentoso Chico Buarque de Holanda. Não precisa, mas vou ratificar alguns sucessos dele. Permita-me escrever em letras maiúsculas as minhas preferidas, “APESAR DE VOCÊ”, “JOÃO E MARIA”, “CONSTRUÇÃO”, “CÁLICE”, “GENI E O ZAPELIN”, “QUE SERÁ”, “O MEU GURI”, “COTIDIANO”, “TROCANDO EM MIÚDOS”, “GENTE HUMILDE”, “A BANDA”, “RODA VIVA”, “VAI TRABALHAR VAGABUNDO”. Há alguma dúvida se gosto ou não do Chico Buarque?

O movimento da música brega foi bem interessante. Há momentos que passo tempos ouvindo esse tipo de músicas com intérpretes especiais como: Reginaldo Rossi, Sidney Magal, Nelson Ned, Paulo Sérgio, Wando, Jessé, e Benito de Paula. Você sabe a origem do nome “Jovem Guarda”? O nome Jovem Guarda nasceu da frase do líder russo Lênin: “O futuro pertence à jovem guarda porque a velha está ultrapassada”; O movimento também era denominado iê-iê-iê em referência a música “She loves you” dos Beatles. Salve os grande nomes desse movimento, Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderlea. Impressionei-me com as performances das vozes e dos gingados de Elvis Presley e do reio do twist Chubby Checker.

Conheci Festivais da música popular brasileira e festival internacional da canção. Fui militar do Exército no Quartel General de Juiz de Fora, 4ª Região Militar nos tempos da Ditadura Militar (1964 a 1985). Perseguições aos guerrilheiros Che Guevara, Carlos Lamarca e Carlos Marighela. Vi nascer a televisão a cores. Entusiasmei-me, com as transmissões dos jogos de futebol programa do Chacrinha,  tele catch e seriados. Vi a evolução nas comunicações com o advento do telefone celular. Vi com tristeza morrerem milhares de pessoas pelo Coronavírus, inclusive vários amigos queridos, bem como do aparecimento da dengue, chikungunya e zica. Presenciei o culto à forma física com as academias de ginásticas e de consultórios de cirurgias plásticas lotadas. Constatei o crescimento e avanço do estresse e da depressão. Quantas mortes! Implantes de dentes para auto-estima, melhorando o visual físico, estético e o sorriso. Morte da bela princesa Diana e da até então imortal rainha Elizabeth. O cinema me empolgou com filmes maravilhosos como: “O poderoso chefão”, “Os 10 mandamentos”, “Ben Hur”, “Sissi, a imperatriz”, “A lista de Schindler”, “Um sonho de liberdade”, “Forrest Gump”, “O senhor dos anéis”, “Dr. Jivago”, “À espera de um milagre”, “O auto da compadecida”, “Titanic”, “Gladiador”, “O silêncio dos inocentes”, “Bastardos inglórios”, “O pianista”, “A vida é bela”, ”O gambito da rainha”, “O destino de Poseidon”, “Marcelinho Pão e Vinho”, ”Spartacus”, O menino do pijama listrado”, dentre outras maravilhas. Acompanhei incrédulo e emociona a visita do homem à lua. Violência contra a mulher. Lei Maria da Penha. Divórcio. Mais atual, acompanhei os  ataques ou atos golpistas de 8 de janeiro de 2023, também chamados de Intentona Bolsonarista ou simplesmente de 8 de Janeiro, foram uma série de vandalismos, invasões e depredações do patrimônio público em Brasília cometidos por uma multidão de bolsonaristas extremistas que invadiu edifícios do governo federal com o objetivo de instigar um golpe militar contra o governo eleito de Luiz Inácio Lula da Silva para restabelecer Jair Bolsonaro como presidente do Brasil.E o mais importante, conhecer minha esposa Catarina que me deu três filhos, Alexandre, Ana Carolina e Marina onde o Alexandre me deu a neta Ana Luísa e a Ana Carolina me deu o neto Bernardo.

E você, tem muita história para contar?

 

(Fonte: Sites diversos).

⚠️ A reprodução de conteúdo produzido pelo Portal Barbacena Online é vedada a outros veículos de comunicação sem a expressa autorização. 

Comunique ao Portal Barbacena Online equívocos de redação, de informação ou técnicos encontrados nesta página clicando no botão abaixo:

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Aceitar Saiba Mais