• 23ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Relatório aponta crescimento da contaminação pelo novo coronavírus

    O Laboratório de Biologia da Conservação do IF SUDESTE – Campus Barbacena divulgou, na segunda-feira (01), o sétimo relatório sobre o comportamento e dispersão do Coronavírus (SARS-CoV-2) no Brasil e no mundo. 

    O documento foi construído a partir dos dados informados até o dia 30 de maio. Além de fornecer informações sobre o vírus, sua distribuição e evolução, o estudo apresenta algumas projeções para o Brasil, Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. 

    No caso de Minas Gerais, foi verificado que, até o momento, o Índice de Mortalidade da COVID-19 está em torno de 2,73% e é possível que esse Índice venha atingir cerca de 4,84% nos próximos cinco dias.

    Quanto aos dados sobre o número de óbitos e de casos confirmados em Minas Gerais, também é possível que tenham alterações já que muitos aguardam o resultado de testes para a COVID-19. Ainda assim, até o momento, a política de isolamento social e de higienização sistemática, adotada pelo Ministério da Saúde, tem se mostrado eficaz. Em relação ao uso de máscaras, está comprovada a eficácia como barreira física, mas não serve de substituição ao afastamento social, que deve prevalecer nas próximas semanas. 

    Com o aumento do número de testes e a disseminação do vírus no interior do estado, como foi o caso de Barbacena, que registrou aproximadamente 200 casos em 2 dias, é possível que a curva de casos fique mais acentuada nos próximos dias. É esperado o aumento no número de casos confirmados o que atingirá cerca de 12.218 nos próximos cinco dias.

    Já no panorama Brasil, o relatório explica que, foi verificado um Índice de Mortalidade da COVID-19 em torno de 5,78% e é esperado um aumento desse Índice que poderá atingir cerca de 9,14% nos próximos cinco dias. Também é possível que os novos dados sobre o número de óbitos e de casos confirmados no país ainda estejam aguardando o resultado dos testes, considerando o aumento da realização de testes. 

    Assim, até o momento e da mesma forma que foi identificado em Minas Gerais, a política de afastamento social e de higienização sistemática, adotada pelo Ministério da Saúde tem se mostrado eficaz no país. Em relação ao uso de máscaras, está comprovada a eficácia como barreira física, mas o uso não substitui o isolamento social, que deve prevalecer nas próximas semanas.

    O documento pode ser acessado na íntegra pelo link: http://grupobrasilverde.org.br/7o-relatorio-covid-19/