Take a fresh look at your lifestyle.

Reflexões sobre o fim da vida

0 343

A única certeza que nós temos na vida é que vamos morrer, com esta frase a doutora em ciências da saúde e mestre em direito privado, Luciana Dadalto começou a conversa sobre Bioética e o fim da vida, na noite de quinta-feira (23) no Master Plaza Hotel. O evento, uma iniciativa da Unimed reuniu cerca de 150 participantes em uma conversa provocativa e essencial que estimulou reflexões sobre ética, biologia, direito, prolongamento e fim da vida.

“Ninguém conversa sobre morte e na hora que ela chega não sabemos lidar. Quando a gente discute terminalidade, bioética no fim da vida a gente discute uma questão cultural que é a dificuldade que na nossa cultura tem de se conversar sobre a morte”, com falas como essa e questionamentos que fizeram a plateia pensar e refletir, Luciana arrancou aplausos e elogios, como o da psicóloga Angela de Paula “Realmente esta noite abriu nossos pensamentos para enxergamos melhor o processo de fim de vida. Nós não pensamos nisso e acredito que esse é o motivo pelo qual não sabemos lidar com esse fim tão certeiro. Eu vivi momentos de morte muito precocemente na minha família e sofri imensamente por não estar preparada. A conversa com Luciana, nos faz repensar diversas atitudes”.

Benedito Veiga, presidente da Unimed e professor da Faculdade de Medicina fez questão de levar seus alunos e futuros médicos para a conversa com Luciana “Foi uma noite para enxergamos o real papel da medicina na vida e também morte das pessoas. Aprendemos, entre outras coisas que é preciso cuidar quando não podemos mais curar, precisamos enxergar e assumir nossa real missão de médicos que ofertar cuidado real, integral”.

Luciana, ainda discorreu sobre o assunto, baseando e citando código de Ética Médica, Resoluções do CFM e leis que regem nosso país. Antes de encerrar, provocações que fizeram os participantes pensar em situações reais e corriqueiras, mas que não damos a devida atenção. “Foi uma aula sobre ética e posicionamento, um aprendizado que levarei para sempre comigo”, diz Ana Assis, estudante de psicologia.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.