O que são os transtornos do neurodesenvolvimento?

Valeska Magierek

  • O que são os Transtornos do Neurodesenvolvimento?

Os transtornos do neurodesenvolvimento são um grupo de condições que surgem no início do período do desenvolvimento (na infância) e que se manifestam bem cedo, geralmente antes da criança ingressar na escola.

 

  • O que caracteriza os Transtornos do Neurodesenvolvimento?

 

Os transtornos do neurodesenvolvimento são caracterizados por déficits no desenvolvimento que trazem prejuízos no funcionamento pessoal, social, acadêmico/pedagógico e, posteriormente, profissional.

Os déficits de desenvolvimento variam desde limitações muito específicas naaprendizagem ou no controle de funções executivas (p, ex. planejamento e execução de atividades, incluindo iniciação de tarefas, memória de trabalho, atenção sustentada) até prejuízos globais em habilidades sociaisou inteligência.

 

  • É frequente a ocorrência de mais de um transtorno do neurodesenvolvimento?

 

Sim, é frequente aparecer mais de um transtorno do neurodesenvolvimento na criança. Por exemplo, pessoas com Transtorno do Espectro Autista frequentemente apresentam deficiênciaintelectual (transtorno do desenvolvimento intelectual), e muitas crianças com transtornode déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) apresentam também um transtorno específico daaprendizagem. No caso de alguns transtornos, a apresentação clínica inclui sintomas tanto deexcesso quanto de déficits e atrasos em atingir os marcos esperados.

 

  • Quais são os Transtornos do Neurodesenvolvimento?

Os Transtornos do Neurodesenvolvimento incluem as Deficiências Intelectuais, os Transtornos da Comunicação (Transtorno da Linguagem, Transtorno da Fala, Gagueira, Transtorno da Comunicação Social, Transtorno da Comunicação sem outras especificações), o Transtorno do Espectro Autista (TEA), O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH – Apresentação Combinada, Predominantemente Desatenta,, Predominantemente hiperativa/impulsiva ), o Transtorno Específico da Aprendizagem (com prejuízo na leitura, com prejuízo na escrita, com prejuízo na matemática), os Transtornos Motores (Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação e Transtorno do Movimento Estereotipado), os Transtornos de Tique (Transtorno de Tourette, Transtorno de Tique Motor ou Vocal Crônico e Transtorno de Tique Transitório) e Outros Transtornos do Neurodesenvolvimento, com e sem especificações.

 

  • Há níveis de gravidade dos Transtornos do Neurodesenvolvimento?

Sim. Os Transtornos do Neurodesenvolvimento podem ser leve, moderado, grave e profundo.

O nível de gravidade depende da frequência de comorbidades (outros quadros associados) existentes.

 

  • A que sinais as famílias precisam ficar atentas e que podem sinalizar a existência de um Transtorno do Neurodesenvolvimento?

Como os Transtornos do Neurodesenvolvimento surgem na infância, os familiares precisam ficar atentos aos Marcos do Desenvolvimento (quando a criança começou a falar, quando começou a andar, se engatinhou, como é o sono da criança, se é uma criança agitada ou quieta demais, se compreende bem o que lhe é dito, se se alimenta bem e adequadamente, se a criança brinca com outras da mesma idade, dentre outros).

 

  • Por que é importante observar o desenvolvimento da criança?

A observação do desenvolvimento da criança favorece a identificação precoce de quaisquer sinais que estejam abaixo do esperado para aquela faixa etária. A identificação precoce favorece tanto o diagnóstico quanto o tratamento (reabilitações) necessárias, a fim de minimizar os prejuízos ao desenvolvimento global da criança.

 

  • O que devemos fazer quando identificarmos algum atraso no desenvolvimento da criança?

Diante de qualquer atraso, mesmo que leve, no desenvolvimento se uma criança, procure um especialista (médico, psicólogo, fonoaudiólogo ou outro profissional da área de saúde), o mais rapidamente possível, a fim de que ele avalie a criança. A identificação precoce é a forma mais eficiente de favorecer o desenvolvimento infantil, mesmo nos casos mais graves, onde as reabilitações encontram maior dificuldade de ações, devido às limitações da própria criança.

 

NOTA DA REDAÇÃO: Valeska Magierek é Psicóloga, com especialização em Neuropsicologia e mestrado em Psicobiologia. Atua há 20 anos na área de Psicologia Infantil e Neuropsicologia. É Diretora clínica do Centro AMA de Desenvolvimento em Barbacena. www.centroamadesenvolvimento.com.br