• 20ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Mineiro de Santos Dumont na casa mais vigiada do Brasil

    Foram anunciados na terça-feira (19) os participantes do Big Brother Brasil 2021, reality show da TV Globo. O programa, que estreia na próxima segunda-feira (25), coloca em disputa o prêmio de R$1,5 milhão. 

    Entre os participantes está o mineiro João Luiz, da cidade de Santos Dumont. Ele tem 24 anos, é professor de geografia e dá aulas para alunos de 14 a 17 anos em uma escola do Estado. Atualmente mora com o namorado na cidade de Extrema, localizada no Sul de Minas. Segundo o novo participante do reality, ele é “filho de uma mãe branca e de um pai negro” e já sofreu muito preconceito, por isso, aprendeu a se defender. Uma de suas qualidades é ser comunicativo. “Sou calmo, explosivo, animado, impaciente. Um pouco de tudo. Danço quando tenho que dançar, choro quando tem que chorar…”, conta em tom de humor.

    João Luiz contou também que é o orgulho de seus pais e tem uma ótima relação com seus alunos, uma vez que para ele, é necessário fazer papel de amigo e educador, dessa forma é possível diminuir a barreira entre aluno e professor: “Tento construir essa ideia de não estar longe dos meus alunos, eles saberem que podemos gostar das mesmas coisas. Eu sou amigo dos meus alunos, estou aberto para além de ficar dando aula”, contou. 

    Além disso, possui boas habilidades manuais, tanto que, durante seu mestrado, abriu uma loja virtual para vender cadernos e quadros pintados por ele e uma amiga. Sua estratégia para se sair bem no jogo, é usar a inteligência emocional e ficar atento, mas sem perder a chance de se jogar. 

    Segundo João Luiz, entrar no BBB é a realização de um projeto de vida: “O Big Brother não é um joguinho, é meu plano A. Tenho que saber exatamente onde estou pisando. Toda vez que tenho que lidar com uma situação, tenho aqueles momentos de emoção, que a gente explode, mas, na maioria das vezes, consigo pensar”, analisa. E também acrescenta: “Acho que vale tudo (no jogo). É possível fazer alianças, mas, ao mesmo tempo, pensando no seu, entendendo que não é um jogo em equipe. Não me sacrifico por ninguém. O jogo não é coletivo, é individual”.