• 6ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Mãe, sublime missão

    A crônica de Francisco Santana

    O Grande Arquiteto do Universo (Gadu) convocou vários deuses gregos e romanos para elaborarem um projeto importantíssimo para a humanidade. Cada um faria o seu e o mais votado seria aclamado o vencedor. Foi um encontro emocionante realizado no Jardim do Éden onde Deus fez toda a espécie de árvores agradáveis e de saborosos frutos para comer. Nele também colocou, ao centro, a Árvore da Vida e a Árvore da Ciência do Bem e do Mal. O primeiro a chegar foi Júpiter (rei dos deuses). Em seguida se juntaram a ele: Saturno (deus do tempo); Hera (rainha dos deuses, protetora das mulheres, deusa da bondade e da família); Apolo (deus do sol, da arte de atirar com o arco, da música e da profecia); Afrodite (deusa da beleza e do amor); Cupido (deus do amor); Minerva (deusa da sabedoria, da arte e da civilização); Minerva (deusa da sabedoria e do conhecimento), Febo (deus da luz, poesia e da música); Psiquê (deusa da alma); Rá (deus do sol); Hórus (deus do céu, do sol nascente e mediador dos mundos); Maat (deusa da verdade, da justiça, da retidão e da ordem) e Crono (deus do tempo).

    Gadu explanou sobre as normas do concurso e de imediato deixou todos à vontade para executarem seus trabalhos. Não demorou muito tempo e os trabalhos foram colocados sobre a mesa do Grande Arquiteto para serem apresentados.  O inesperado aconteceu. Diante do inusitado resultado, todos foram aclamados por uma bateria de alegrias. Por unanimidade, o Projeto MÃE foi o vencedor para gáudio dos deuses que estavam sintonizados com o mesmo propósito de saudar, elevar e exaltar a excelsa figura da MÃE.

    Um documento denominado “Mãe, sublime missão” foi elaborado com pareceres de todos os presentes e fez parte do projeto. Minerva e Psiquê apresentaram o trabalho, que levou as assinaturas de todos os deuses.

    *** O amor de mãe é um sentimento instintivo na preservação dos filhos, além de um devotamento e uma abnegação que persiste por toda a vida. E que este amor sobrevive à própria morte do corpo físico, acompanhando o filho além da tumba.

    *** Muito mais do que uma efeméride, o dia das mães representa a oportunidade de reverenciarmos uma pessoa que, mesmo ainda na condição de espírito imperfeito é capaz de doar-se plenamente para o filho, enfrentando qualquer obstáculo para lhe assegurar saúde e bem estar.

    *** A maternidade transforma completamente a vida de uma mulher, pois, desde o momento em que recebe a informação da gravidez, sua rotina vai sofrendo modificações e depois passando pelo período da gestação até chegar ao nascimento que é quando essas mudanças se aprofundam definitivamente.

    *** A partir do momento em que a mãe coloca seu filho pela primeira vez em seus braços o compromisso aceito perante as Leis de Deus passa a ser efetivamente cobrado minuciosamente, pois, trata-se de um ser que deverá ser amparado pelos pais devendo ser- lhe oferecido auxílio ininterrupto para que a sua caminhada seja repleta de novos aprendizados.

    *** Esta responsabilidade é como uma idéia inata que a mãe procura sempre cumprir não importando o que isso lhe custe, sejam nas noites sem dormir ou nos dias em volta do rebento que Deus lhe ofereceu para cuidar e educar.

    *** À mãe, é oferecida a possibilidade do exercício constante do amor incondicional, doando o que de melhor tenha em si para o espírito que nasce como seu filho, não importando o que ele tenha sido num passado recente ou mais remoto.

    *** Além dos fortes laços físicos que existem entre mães e filhos provocados pelo instinto de conservação existem os imorredouros laços espirituais que formam uma poderosa ligação entre ambos e que são capazes de ultrapassar as mais difíceis barreiras.

    *** Ser mãe é uma missão sublime de intensas responsabilidades e de elevada honra. É um privilégio receber em seus braços um espírito que Deus confiou, reconhecendo que vai saber conduzir para o caminho do bem.

    *** Existem mães que por amarem demais acabam sufocando seus filhos e outras que amam, mas sabem o momento de deixar com que os filhos caminhem por si mesmos. Também vemos mães que não amam e até os maltratam provocando dores e sofrimentos. Outras ainda não sabendo equilibrar seu sentimento materno colocam-nos distante do mundo não contribuindo em sua educação.

    *** Há ainda na maternidade variadas matizes de mães e isso é perfeitamente natural para a condição moral de nosso planeta, ainda de provas e expiações, mas, todas elas merecem nossa reverência, seja simplesmente por permitir a reencarnação de mais um espírito necessitado ou pelo exercício pleno do amor que a mãe desempenha oferecendo paciência, abnegação e resignação no cumprimento desta sublime missão.

    Vou dedicar essa mensagem à mãe, MARIA JOSÉ, mãe de quatro filhos menores e moradora em Salvador, BA que estava na fila da Caixa Econômica Federal, desde as 3h da manhã para receber 150,00 como auxílio emergencial instituído pelo governo federal. Ao ser inquirida sobre o que faria com esse dinheiro, ela respondeu:

    “Esse dinheiro chegou em boa hora. Eu vou comprar macarrão, fubá, couve e se sobrar algum trocado vou comprar ovos. A gente está comendo arroz e feijão há meses e meus filhos merecem uma alimentação melhor”.

    (Fonte: Wikipédia/Livro dos Espíritos – Das Leis Morais/Da Lei de Justiça/Caridade nas Questões).