Mãe e avó indiciadas pela morte de criança em Barbacena. Vítima levou quase 60 facadas

A Polícia Civil indiciou a mãe e a avó da criança morta a facadas em Barbacena. A informação foi confirmada pela Delegada Regional Flávia Murta, durante entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (27). O laudo da perícia apontou mais de 60 facadas na criança de 1 ano e dois meses na região da face, ombro e cervical, resultado de violência doméstica, com crueldade, e sem chances de defesa da vítima.

Foram realizadas diversas diligências pela equipe de policiais civis responsável, com investigações de campo, reprodução simulada dos fatos, levantamento de local, estudo do perfil da investigada, perícias técnicas, oitivas das testemunhas, do pai da criança, dos vizinhos e da própria suspeita, dentre outras.

O pai teve participação descartada. Já a avó foi indiciada por omissão de socorro, uma vez que as investigações apontaram ser impossível a genitora da autora não ter presenciado a ação de onde ela alega estar no momento. A avó da menina tinha elementos para realizar o socorro da criança de forma mais rápida, mas optou por buscar ajuda com terceiros o que levou cerca de 20 minutos.

Durante a prisão a mãe da menina alegou surto, mas os profissionais de psicologia e psiquiatria que acompanham a mulher afirmaram que ela havia sido diagnosticada com transtorno bipolar. Ela, em declarações dadas à Polícia, alegou que não aguentar mais sofrer violência doméstica por parte do marido e que não se recordava do momento em que tirou a vida da filha, afirmando ter tido um surto. Com relação ao pai da menina, a terapeuta da autora disse que esta era conflituosa e gerava ansiedade. Pelo histórico médico, não é possível afirmar que a autora foi acometida de um surto.

A arma do crime não foi encontrada e a Polícia não pode afirmar se foi utilizada faca ou tesoura. A mulher está recolhida no presídio de Juiz de Fora e deve ser transferida para Barbacena nos próximos dias. A PC pediu a prisão preventiva da mesma.

A autora alega que a violência doméstica sofrida por ela seria a motivação para o crime, mas os registros da Polícia Civil apontam que havia somente uma ocorrência desta natureza envolvendo o casal, na semana anterior ao homicídio. Na ocasião foi concedida, inclusive, uma medida protetiva para a mulher que estava sendo descumprida. Desde então ela vinha sentindo-se pressionada a resolver a situação, já que o companheiro, e pai da menina, vinha fazendo contato com familiares para pegar seus pertences na casa.

A delegada responsável pelo caso, Amanda Sfredo Martins Prezotti, concluiu o procedimento dentro do prazo legal de 10 dias, face a prisão em flagrante delito, e indiciou a mãe pela prática do crime de feminicídio, praticado por meio cruel, com impossibilidade de defesa por parte da vítima, por se tratar de criança com apenas 1 ano de idade, que fora surpreendida e morta de forma brutal pela própria genitora.

Participaram da coletiva a Delegada Regional Flávia Mara Camargo Murta, a Delegada responsável Amanda Sfredo Martins Prezotti, o Investigador Rosemberg Pereira e a Escrivã Isabel Cristina Moreira.