Take a fresh look at your lifestyle.

Já ouviu falar dos Lipídeos?

0 127

Por Sabrina Medeiros, membro do Centro de Estudos em Ecologia Urbana do IF Barbacena e graduanda em Ciências Biológicas, sob orientação e supervisão do professor Delton Mendes.

Quando pensamos em lipídeos logo lembramos de gorduras e óleos e o quanto o consumo excessivo dessas substâncias pode ser prejudicial à nossa saúde. Porém, eles são indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção do organismo uma vez que desempenham funções essenciais. Os lipídeos são uma classe de biomoléculas caracterizada por, principalmente, não ser solúvel em água, mas podendo ser solúveis em solventes orgânicos (álcoois, cetonas, éteres e outros). Sua estrutura é composta de principalmente carbono, hidrogênio e oxigênio (C,H,O) e são altamente energéticos, porém, por não interagirem com a água, não são considerados a fonte primaria de energia utilizada pelo corpo, deixando essa posição para os chamados carboidratos.

Lipídeos desempenham inúmeras funções vitais em todos os organismos vivos: para os animais atua como reserva energética (primordial principalmente para aqueles que hibernam), isolante térmico, proteção mecânica além de constituírem as membranas plasmáticas das células. As ceras (subclasse de lipídeos) também são fundamentais, principalmente nos vegetais, agindo como impermeabilizantes de superfícies em folhas, impedindo que, em ambientes muito quentes, esses percam muita água.

Nosso sangue é constituído por aproximadamente 83% de água, o que o torna uma substância líquida que não interage com esses lipídeos. Contudo, é necessário que lipídeos (triacilgliceróis vindos em forma de gorduras através da alimentação) circulem na corrente sanguínea para desempenharem suas funções já citadas. Tudo o que não é necessário ser utilizado em nosso corpo é armazenado no tecido adiposo. Para isso, os lipídeos se associam a proteínas formando as chamadas lipoproteínas que permitem seu transporte no plasma sanguíneo. A parte proteica da lipoproteína é chamada de apoproteína, enquanto a lipídica é constituída de colesterol, triglicerídeos e fosfoglicerídeos e de acordo com suas características e constituições são divididas em: VLDL, HDL e LDL.

Os mais conhecidos carregadores de lipídeos são os famosos HDL (chamado “colesterol bom”) e LDL (“colesterol ruim”). Porém, um fato interessante pouco conhecido é que os constituintes dessas duas lipoproteínas são basicamente os mesmos, variando apenas a proporção de triglicerídeos, colesterol e proteínas que os constituem: o HDL possui uma densidade consideravelmente maior que o LDL fazendo com que o seu volume seja menor. Então, enquanto o LDL transporta o colesterol do fígado às células, o HDL faz o inverso, retirando o excesso de colesterol e levando-o de volta ao fígado, para ser eliminado pelo corpo e daí vem sua caracterização de ser bom para nosso organismo.

Visto isso, podemos chegar à conclusão de que o colesterol, não consumido em excesso, é uma gordura (lipídeo) importante para o organismo uma vez que produzido pelo fígado, ajuda na estruturação da membrana das células, na digestão, na produção de hormônios e na fabricação da bile (fluído que atua na emulsificação de lipídeos). Relevante também nunca esquecer que ter uma rotina de hábitos saudáveis ajuda-nos a manter a saúde em dia!

Apoio divulgação científica: Samara Autopeças

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.