Take a fresh look at your lifestyle.

Dicas para o consumidor não ser prejudicado com as vendas da Black Friday

Cacilda Araújo orienta consumidores

0 285

Uma data de “grandes ofertas”, tradicional nos Estados Unidos, que acontece na sexta-feira posterior ao Dia de Ação de Graças, se lastrando para outros países, dentre eles o Brasil, com inicio em 2011, primeiramente, nas compras em lojas virtuais (internet), devido o sucesso, a data foi estendida, também, para as lojas físicas. Com a novidade, vários consumidores sofreram prejuízos, por diversos motivos, fornecedores mal-intencionados, problemas de logística, volume de vendas não esperado, e até mesmo a falta de informação dos consumidores.

Com isso, apontamos dicas para que o consumidor não seja prejudicado e que a data promocional, não seja, posteriormente, um desastre.

Defina antes o que você realmente precisa comprar na Black Friday, evite compras por impulsos, daquelas só para aproveitar a “oferta extraordinária”.

Prepare-se com antecedência, antes da data da Black Friday, faça uma pesquisa de preços nas principais lojas físicas e eletrônicas, daquilo que deseja adquirir. Guarde os anúncios físicos (folders, panfletos, jornais, etc), e para o comércio eletrônico, dê um print das telas e salve, isso servirá para a comprovação dos preços e condições anunciadas.

Fique atento ao seu orçamento, será que o valor “tentador” da promoção cabe no seu bolso? Faça as contas, para que seu desejo não vire uma dor de cabeça.

Prefira comprar em lojas e sites conhecidos, sempre há a possibilidade de oportunistas entrarem no mercado para aproveitar a data, com preços tentadores, mas sendo empresas desconhecidas, podem representar riscos quanto a obrigações para com os consumidores;

Informe-se sobre o fornecedor, empresas com muitas reclamações feitas por consumidores e não resolvidas, pode gerar problemas. Consulte sites como Reclameaqui.com.br e o Procon de sua cidade. É melhor fugir delas.

Fique atento para não comprar em sites falsos, imitando sites conhecidos e oficiais, eles induzem o consumidor a caírem em suas armadilhas, muitos vendem e não entregam, podendo até sair do ar, após realizarem os negócios.

Atualize seu antivírus, protegendo os computadores de invasões, com roubos de informações, causados por hackers do mal. Não use computadores públicos (lan houses ou cyber cafés) para fazer compras.

Prazo de reflexão e direito de arrependimento, nas compras feitas fora das lojas físicas (por internet, catálogo, de porta em porta, por exemplo), os consumidores têm o prazo de sete dias, da contratação, para desistirem do negócio e exercerem esse direito, não cabendo qualquer valor a ser pago pelo consumidor, nem mesmo o frete

Prazo para entrega, deve ser verificado pelo consumidor e certificado pelo fornecedor, seu descumprimento pode gerar danos e aborrecimentos.

Pesquise sobre as especificações dos produto, especialmente os eletrônicos, para certificar se elas irão atender suas necessidades, compare os preços e as especificações, essa é a melhor opção.

Cuidados com a possível necessidade de trocas, dificilmente elas se concretizarão, as lojas físicas, não estão obrigadas a fazer trocas, por motivos de cor, modelo ou tamanho, isso só ocorrerá se a loja assim quiser.

É certo que as ofertas na Black Friday têm limitação da quantidade limitada de produtos, para não perder as boas promoções é preciso que você vá às compras logo cedo, até mesmo na madrugada, pois terá acesso aos melhores produtos, pelos melhores preços.

Boas compras!!!!!!!!!!!!!

NOTA DA REDAÇÃO: Cacilda Araújo Silva, advogada, professora universitária, especialista em Direito do Consumidor, membro fundadora da Academia Barbacenense de Ciências Jurídicas-ABCJ

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.