• 15ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Contra-Ataque: Por descuido ou displicência

    Sérgio Monteiro

    O título do Brasileirão 2020 parecia ser disputado entre São Paulo, Atlético e Flamengo, com um ligeiro favoritismo para o Tricolor desde que roubou do Galo a ponta da tabela. Mas passada a pausa para o Réveillon e o cenário já aparenta ser outro. A “trinca” de favoritos perdeu o fôlego e, em meio a dúvidas de seus torcedores e fracassos sucessivos, vê outros três adversários se aproximarem e entrarem, de forma inesperada, na briga pela taça de campeão. Para completar, seus treinadores são questionados e vivem momentos de pouca inspiração.

    Candidatos ao título, São Paulo, Atlético e Flamengo vivem momento de instabilidade e de pouca inspiração de seus técnicos

    São Paulo e Flamengo perderam as duas partidas disputadas em 2021. O Tricolor, que continua na liderança (mas agora com uma vantagem bem reduzida), caiu diante do Bragantino (na pior atuação do time nesse Brasileirão) e do time reserva do Santos, focado na disputa por uma vaga na final da Libertadores. Já o Flamengo foi derrotado duas vezes no Maracanã. Primeiro, uma virada para o rival Fluminense, depois uma derrota inexplicável para o Ceará. Duas apresentações que deixam uma grande dúvida na cabeça do torcedor: quem é pior: Ceni ou Domenéc?

    Já o Galo, que teve sua partida pela 28ª rodada adiada, estreou em 2021 com um empate sem graça contra o Bragantino. O resultado em si, fora do contexto, poderia até ser bom. Mas chamou a atenção a forma como o time de Sampaoli se apresentou. Uma postura que se não chegou a ser apática, em nada condiz com a situação do time no tabela e com a tradição do clube. Faltou a costumeira raça alvinegra na partida em Bragança Paulista e o time só se salvou da derrota nos acréscimos, mesmo tendo tido boas chances para garantir os três pontos.

    Na reta final, na hora do último gás para ficar com a taça, torcedores dessas três equipes andam desconfiados. Em relação a seus times e a seus treinadores. Diniz carrega uma desconfiança desde o início do campeonato, da qual só se livrará se o título vier. Rogério tem feito um trabalho bem aquém do esperado e dá mostras de que ainda não está preparado para figurar entre os times da prateleira de cima do nosso futebol e Sampaoli convive com as primeiras críticas desde que chegou a BH. O argentino, acostumado a cobrar demais, começa a ter o seu trabalho questionado por parte da torcida.

    Enquanto isso, Internacional, Palmeiras e Grêmio se juntam aos candidatos ao título e aquecem a disputa nas rodadas finais. O Colorado, que chegou a liderar a competição, se recupera da saída do treinador Eduardo Coudet e começa a se firmar com Abelão. Com cinco vitórias seguidas, se aproximou do São Paulo, mesmo sem apresentar um futebol que chame atenção. O Grêmio pareceu o mais mineiro dos times neste campeonato. Comendo pelas beiradas, chegou de mansinho, sem alarde, e, embora também não encante, já vê o topo de perto.

    O Palmeiras, não fosse a disputa da Libertadores e da Copa do Brasil, herdaria a condição de ‘favoritaço’, pois é de longe o melhor time no momento. Mesmo com uma equipe alternativa, venceu na rodada e pode chegar forte à disputa, sobretudo se São Paulo, Atlético e Flamengo continuarem teimando em não ganhar seus jogos. Por descuido ou displicência, como diria Oswaldo Montenegro, a taça pode mudar de mãos.

    A reta final nos reserva fortes emoções, até porque são muitos os confrontos diretos entre os pretendentes ao título. Em meio a tantas dúvidas, a única certeza que podemos ter é que haverá um campeão no final do mês que vem, mesmo que ninguém faça tanta questão assim.

     

    Imagem

    Crédito – Paulo Pinto/São Paulo FC (São Paulo), Jorge Rodrigues/AGIF (Flamengo)