• 20ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Contra-Ataque: No meio do caminho tinha uma Caldense

    Sérgio Monteiro

    No meio do caminho tinha uma Caldense

     

    É impressionante como a Caldense gosta de derrotar o Atlético, hein? Nos últimos cinco jogos, todos válidos pelo Campeonato Mineiro, são quatro vitórias da Veterana e apenas uma do Galo. Se ampliarmos a consulta, nos últimos 11 jogos, o time de Poços levou a melhor em seis confrontos, com um empate e quatro triunfos alvinegros. E olha que essa história não vem de agora. Em 1996, em partida que ficou marcada pela fúria do goleiro Taffarel, expulso após agredir um jogador adversário, a Caldense aplicou um sonoro 5 x 2 em cima do Galo, em pleno Independência.

    Ou seja, uma certeza nós já temos quando começa o Campeonato Mineiro: a Caldense vai dar trabalho para o Atlético. E ontem, em duelo que marcou o reinício do certame deste ano, após a paralisação em virtude da pandemia do coronavírus, não foi diferente. Vitória da Veterana em Poços de Caldas, por 2 x 1, de virada. O resultado reforça a Caldense como terceira força do estadual e tira do ainda líder Atlético a invencibilidade na competição.

    De quebra, a Caldense atinge um feito que não conseguia desde 1974, que é vencer, em um mesmo ano, os três times da capital. Antes da vitória de ontem, o time de Poços já havia derrotado América e Cruzeiro, ambos em Belo Horizonte. Restando cinco partidas para o fim da primeira fase e a definição dos semifinalistas, a equipe alviverde ocupa a terceira colocação, com 11 pontos, quatro a menos queos líderes Atlético e América, e muito provavelmente chegará mais uma vez à semifinal do Mineiro.

    Sem dúvida alguma, a Caldense é o melhor time do interior de Minas, ainda que o Athletic, de São João del-Rei, venha fazendo uma bela campanha, o que lhe garante, no momento, a quarta colocação. É bom ficar de olho também na Tombense (atual vice-campeã) e no Pouso Alegre, que juntamente com o Cruzeiro, ainda ameaçam o atual G-4. A briga dos demais deve se restringir à fuga do rebaixamento para o Módulo II.

    Do lado atleticano, a derrota em Poços não deve mudar a rota do time nesse campeonato estadual. O Galo segue como principal candidato ao título, tendo América e Caldense como grandes adversários. No domingo, o confronto entre Atlético e América, no Mineirão, provavelmente deve decidir a liderança na fase classificatória, tendo o time alvinegro a vantagem em caso de empate.

    Em seu segundo jogo nesse retorno ao Atlético, o técnico Cuca, porém, deve ligar o alerta. O futebol apresentado ficou bem distante do esperado pela torcida. E o que é pior: muito aquém do que vinha sendo mostrado pelo time nesse mesmo campeonato. A pausa em virtude da pandemia parece ter esfriado o ímpeto alvinegro, que pouco agrediu o adversário. Até a partida em Poços, o ataque atleticano tinha uma ótima média de três gols por partida.

    Na verdade, o placar poderia até ter sido pior para os atleticanos. Na segunda metade do jogo, a Caldense criou chances para construir uma vitória mais tranquila. No Galo, o destaque ficou por conta da entrada de Savarino no lugar de Hulk, já no segundo tempo. O venezuelano criou algumas jogadas de perigo em arrancadas pela direita e mostrou que tem condições de ser titular, a exemplo do ano passado.

    Que a derrota sirva de lição ao Atlético e a seu treinador, que apelou com uma improvisação nos minutos finais, colocando o zagueiro Igor Rabello para jogar como centroavante. Além de curiosa, a invenção não surtiu efeito algum e só serviu para irritar o torcedor. Afinal de contas, o elenco conta com várias opções para o ataque. Em contrapartida, fica claro que, assim como em 2020, falta um centroavante nato. Além de um lateral-direito e mais um zagueiro para fechar o elenco para a temporada, que ainda promete ser muito boa para o alvinegro.

    No dia da mentira, a grande verdade é que a Caldense tem sido uma pedra no sapato do Atlético há anos. A liderança permanece inabalada, mas, como sempre, tinha uma Caldense no meio do caminho. A grande mentira é achar que Igor Rabello pode ser a solução para o ataque.

     

    Imagem

    Crédito – globoesporte.com