• 9ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • Contra-Ataque: Coragem, Cuca. Eu sei que você pode mais

    Sérgio Monteiro

     

     

    Coragem, Cuca. Eu sei que você pode mais

     

    Tudo bem, Cuca? Sente aí, precisamos conversar e é um papo longo.Antes de mais nada, preciso dizer que, para mim, a forma como você abandonou o barco, em 2013, já está mais do que superada. Sei que tem muito atleticano que ainda não conseguiu digerir aquele anúncio infeliz, em meio à disputa do Mundial. Eu superei faz tempo. Quando penso em 2013, só consigo lembrar daquela noite memorável de 24 de julho, quando você e o Galo romperam juntos a maldição que parecia acompanhá-los há anos. E tenho uma imensa gratidão por todos daquele elenco, inclusive por você.

    Talvez vocês não façam ideia do que significou aquele título da Libertadores para nós. Até hoje me emociono quando falo de 2013. E assim será para sempre, imagino. Foi mesmo um sonho, repleto de emoções e sustos. Como não arrepiar ao lembrar da goleada diante do São Paulo, do pênalti defendido por Victor quando Riascos partiu para a bola ou do gol do Guilherme, literalmente no apagar das luzes, no Palácio do Horto, diante do Newell’s?

    Pois bem. Esperamos anos pelo seu retorno. Eu e grande parte da torcida. A cada queda de treinador nesses oito anos, o seu nome sempre era levantado como a solução. Afinal de contas, o maior título de nossa história está diretamente ligado ao seu nome. Porque não tentar repetir a dose? E esse dia chegou, Cuca. Você novamente veste o preto e o branco que carregam consigo um amor sem igual e altas doses de esperança. As cores de uma paixão quase doentia, que você, como eu, conhece bem.

    Além de receber a oportunidade de ser feliz aqui novamente, você recebeu um elenco milionário e recheado de bons jogadores. Opções não faltam, né? Hoje, o Galo tem um dos três melhores elencos do Brasil. Se em 2013 você tinha Ronaldinho, Tardelli e Bernard, hoje você tem Hulk, Nacho e Savarino. Tudo bem que em 2013 você tinha um santo vestido de goleiro, fazendo milagre atrás de milagre. Mas convenhamos que Hulktem se esforçado para fazer um milagre aqui, outro acolá.

    Nós temos hoje um jogo da mais alta importância. Um duelo com o Boca Juniors valendo vaga nas quartas-de-final da Libertadores. A mesma competição que o Galo ganhou em 2013, alçando patamares maiores e proporcionando que você fizesse o mesmo. Temos time, Cuca. Temos elenco. Temos totais condições de superar o Boca no Mineirão e seguir adiante no sonho de repetir o feito inesquecível. Precisamos apenas de uma vitória. Só que para ganhar é preciso ter coragem. E é aí que começa, de fato, o nosso papo.

    O nosso técnico de 2013 tinha coragem, sabe? Fazia o time praticar um futebol ofensivo, alegre, empolgante. Graças às estrelas daquele elenco e à coragem do técnico, o resultado foi o que todos conhecemos. E é isso que nos fez desejar tanto o seu retorno. Se fosse para praticar um futebol medroso, teríamos opções mais baratas e até algumas caseiras. Não adianta ter Nacho e Hulkno time se o pensamento for apenas se defender. O jogo contra o Corinthians é o retrato fiel do que estou falando. O Atlético foi um time covarde no primeiro tempo, que praticamente não incomodou o adversário. Depois da desvantagem no placar, foi outro time na segunda etapa: tomou conta do jogo, alcançou a virada e saiu de campo com os três pontos.

    Que sorte a nossa foi aquele gol do Corinthians! Senão, o jogo estaria zero a zero até agora. É muito legal que você tenha arrumado a defesa. Realmente, hoje temos um time que passa segurança quando o assunto é consistência defensiva. Mas podemos ter muito mais, Cuca. Basta deixar o time jogar bola, buscar o gol, incomodar o adversário.

    O futebol é engraçado, né? Os mesmos que reclamavam quando você foi anunciado, hoje comemoram os resultados obtidos até aqui: campeão mineiro, líder da primeira fase da Libertadores, vice-líder do Brasileirão, classificado para as oitavas da Copa do Brasil. E eu, que tanto defendi a sua volta, estou aqui reclamando e entendendo que, mesmo com todos esses resultados, não está tão bom assim. É que eu queria ver o Galo do segundo tempo do jogo contra o Corinthians mais vezes em campo, sabe? Eu sei que hoje o Galo pode muito mais do que fazer um gol contra o Cuiabá e recuar ainda no primeiro tempo, esperando 70 minutos pelo apito final do juiz. Deu certo. Mas contra a Chapecoense não deu, não é mesmo? E o preço disso pode ser alto demais.

    Eu sei que o Flamengo é um baita time e que, mesmo assim, o Galo, depois do segundo gol, poderia ter feito o terceiro e até o quarto. Era tão nítido o abatimento e a falta de rumo do time carioca depois do segundo gol do Savarino. Mas você preferiu segurar o resultado. Tudo bem. Deu certo. Não foi um 4 x 0, mas foi um 2 x 1. Vale três pontos do mesmo jeito, né? Sei que é isso o que você está pensando. Sei também que o “se” não entra em campo, mas pensa comigo: e se o Arrascaeta faz aquele gol que ele perdeu nos acréscimos? Aproveita o embalo e imagina se o Rodolfo não perde o pênalti na final do Mineiro…

    O Galo pode bem mais, Cuca. Basta deixar esse medo irritante de lado.Você, melhor do que ninguém, sabe o quanto essa torcida acredita no seu time. Acredite você também. Você conhece a paixão desse povo. Não estou aqui pedindo para que seja sempre de goleada. Mas também não é preciso levar ao pé da letra a velha máxima que diz “se não for sofrido, não é Galo”. Flertar com o risco a todo momento, desafiar o fracasso a cada partida são dispensáveis quando se tem um bom time. E nós temos.

    Que hoje, diante do Boca, possamos ver o Galo intenso, agressivo, usando todas as armas que ele tem. A defesa segura que você conseguiu implantar e o ataque envolvente e mortal, que por enquanto está apenas no papel. Que a classificação venha com sangue nos olhos, na eterna raça alvinegra, mas sem oferecermos aos argentinos o direito de nos eliminar a qualquer ataque. E que você perceba, Cuca, que esse elenco que tem em mãos hoje pode muito mais do que a liderança em uma primeira fase de Libertadores ou a vice-liderança do Brasileirão. Este time foi montado para conquistar os títulos que esta Massa tanto quer e merece. E tenho certeza de que você também. Afinal de contas, chegou, em 2012, como funcionário, mas logo virou torcedor.

     

    Imagem

     

    Crédito –Pedro Souza/Atlético-MG