A Consulta médica mais rápida do Brasil, candidata ao Guinness Book

Por Francisco Santana

Hoje amanheci à procura de um tema para redigir uma crônica. Abri a janela do meu quarto e percebi chuva e uma temperatura congelante. Liguei a televisão que noticiava mais um capítulo da novela “caça às bruxas” estrelado pelos senadores da república na Comissão Parlamentar de Inquérito. Achei o assunto enfadonho. Sintonizei o rádio e num programa de sucessos de ontem, ouço Renato Russo cantar: “que país é esse, que país é esse”. Nada me seduzia. Resolvi então fechar os olhos e estender a mão para alcançar e pegar um livro aleatoriamente na prateleira. A escolha recaiu no “Guinness, o livro dos recordes”. Começo a folheá-lo e algumas curiosidades chamam a minha atenção. Exclamo: fantástico! Inacreditável! O “Guinness World Records” é uma edição publicada anualmente que contém uma coleção de recordes e superlativos reconhecidos internacionalmente, tanto em termos de performances humanas como de extremos da natureza.

 

Exemplos: o homem mais alto do mundo é o americano Robert Wadlow que media 2,72m; a mulher mais alta do mundo é a chinesa Zeng Jilian que media 2,48m; o homem mais baixo do mundo nasceu no Nepal e se chama Chandra Dangi que media 54,6cm; mulher mais baixa do mundo é a holandesa Pauline Musters que media 58cm; o maior cabelo é da chinesa Xie Qiuping que media 5.627cm; o maior nariz do mundo é do turco Mehme e media, 8,8cm; a maior barba do mundo é do indiano Sarwan Sing que media 2,36m; o casal Sr. e Sra. Feodor Vassilyev, russo, teve 69 filhos, 16 gêmeos, 7 trigêmeos,  4 quadrigêmeos. Acredito que essas marcas já foram batidas.  

 

Aqui em Barbacena temos alguns casos confessos. Por exemplo, o Felipe conhecido pelos apelidos napa (narigudo) e ladrão de oxigênio, debocha de si ao dizer que num ambiente fechado sempre falta ar quando ele chega. O Luiz Fernando se programa para pular de um edifício de 10 andares porque ele tem certeza que não vai cair, pois, com suas orelhas de abano, vai flutuar. O colega Tadeu, mais conhecido como crânio, diz que normalmente compra três bonés para fazer um para acomodar sua cabeça. A senhora Almeida de tão pequena tem o apelido de “positivo”. 

 

No ano de 2003, quando eu era acadêmico da FAGOC – Faculdade Governador Ozanan Coelho na cidade de Ubá, um fato ocorrido comigo poderia estar inserido no Guinness Recordes. Vou pleitear. Como a propaganda é a alma do negócio, me deixei levar pela citação do nome de um médico que estava fazendo “milagres” no que concerne a emagrecimento.  Colegas indicaram-me o eficaz Dr. Coelho (nome sugestivo) que atendia numa clínica no centro da cidade. Ele era tão bom que transformava rei momo em faquir em 30 dias. Marquei uma consulta para 11 horas. Pontualmente lá estava eu cheio de esperanças e expectativas positivas. A secretária atendeu-me com simpatia e gentileza. Ao preencher uma ficha percebi encostado no balcão, um jovem onde se lia no bolso de seu jaleco: Dr. Coelho. Pensei: este é “o cara”! Que elegância! A secretária entregou a ele minha ficha e ele sorridente me falou: vamos lá! Para chegar à sua sala tivemos que atravessar um corredor de no máximo trinta metros. No percurso ele me perguntou: Qual a sua idade? Peso? Altura? É diabético? É hipertenso? È cardiopata? Come muito doce? Toma muito refrigerante? Toma muita bebida alcoólica? Pratica esporte? Quer perder quantos quilos? Eu lhe aconselho a perder 10 para a gente ver como ficará. Vou lhe receitar um remédio novo no mercado, não barato, mas que compensa pelos resultados obtidos. Chegamos à sua sala. Ele abriu sua pasta, tirou uma receita já escrita, assinou-a e pediu-me que retornasse em 30 dias. Perguntei a ele: “acabou?”. Ele respondeu: “Sim!”. Pasmem! Eu nem tinha me assentado e nem ele. Isto é ou não é um recorde? 

 

Na despedida ele me falou: Sr. Francisco, por favor, chame Solange Costa que é a próxima a ser atendida. Da porta mesmo eu gritei: Solange Costaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! Ela veio toda sorridente e serelepe. Da sala dele até à rua eu tive pensamentos de decepção, realidade e um ataque de risos. A consulta não demorou dois minutos. Quando cheguei à rua, dobrei a receita e a coloquei na minha pasta. Acreditem! Estava passando por mim a Solange Costa, aquela que eu gritei o nome, você se lembra? Solange Costaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Em menos de 10 minutos ele realizou duas consultas.  

 

Na faculdade alguns colegas queriam saber  detalhes da minha consulta. Saciei todos os anseios deles. Um colega me disse: “Santana, mesmo sabendo que você é de Barbacena, terra dos loucos, não tome esse remédio indicado. Ele é um laxante poderosíssimo e violentíssimo. Meu pai tomou, ficou sem trabalhar por dois dias. Ele passou tanto mal que usou  fralda geriátrica. Eu sei de outros casos. Para você entender melhor, essa medicação era receitada para exames de colonoscopia”. Esse amigo me salvou. 

 

Psiu, cá entre nós, você já passou por alguma situação que o  credenciasse a ter o seu nome inserido no livro dos recordes?

 

(Fontes: Wikipédia/Livro, Guinness Book).