• 7ºC
    Barbacena, MG Previsão completa
  • A busca por vida extraterrestre inteligente: possibilidades e perspectivas futuras

    Por Vitória Oliveira, licenciada em Ciências Biológicas e membro do Centro de Estudos em Ecologia Urbana do IF Barbacena, sob orientação do professor Delton Mendes Francelino, coordenador do Centro de Estudos em Ecologia Urbana, do IF Barbacena.

    Querido leitor, se te pedíssemos para que fechasse os olhos e imaginasse um extraterrestre, como ele seria? Bom, apesar de não possuir nenhum poder sobrenatural posso dizer que, certamente, você imaginou as seguintes características: Pele esverdeada e bem lisa, um par de olhos pretos, grandes e brilhantes, pernas e braços compridos e finos, e três dedos em cada uma das mãos. A descrição trazida, faz parte de um grande número de filmes que começaram a fazer sucesso no mundo todo, sobretudo em meados do século XX. Mas, você deve estar se perguntando, de onde veio essa especulação de que existe vida fora do planeta?

    Os primeiros mitos que sugeriam a existência de vida extraterrestre, acreditavam ser a Lua, sua casa. Entretanto, em 1877, por meio de telescópios foram observados no solo de Marte, um conjunto de dutos que acreditaram ser construções de seus habitantes, dando origem ao mito do marciano. Apesar de grande viés especulativo, na atualidade, para a ciência a possibilidade de existir vida fora do planeta Terra é bastante contundente. Além do fato de todo o Universo ser regido pelas mesmas leis físico-químicas, a hipótese de existência de extraterrestres, foi reforçada a partir do encontro de um número significativo de planetas de outros sistemas estelares, com características bastante semelhantes às da Terra e, certamente, capazes de abrigar vida.

    Partindo desses argumentos, muitos esforços tem sido direcionados para encontrar vida fora daqui. Algumas pesquisas se limitam a encontrar vida basal, utilizando como modelo microrganismos terrestres capazes de sobreviver em condições extremas, concentram-se na busca de vestígios bioquímicos de vida. Outras pesquisas buscam civilizações inteligentes e, neste caso, as evidências almejadas são vestígios tecnológicos deixados por seres vivos inteligentes.

    Apesar dos inúmeros esforços e a possibilidade real de existir vida extraterreste, as limitações para essa busca precisam ser consideradas. Ainda não foram produzidas tecnologias humanas capazes de produzir um contato direto/visita à possíveis planetas habitados. Ainda assim, algumas estratégias tem sido utilizadas pelos cientistas para encontrar vida inteligente. Um desses caminhos consiste no envio em materiais resistentes aderidos as sondas espaciais, mensagens contendo informações preciosas sobre a humanidade, para que possam ser encontradas por civilizações inteligentes. Outra estratégia, é o envio, a partir de rádiotelescópios de ondas de rádio, em direções específicas da galáxia, com mensagens possíveis de serem interpretadas por outras civilizações como um sinal de “estamos aqui”.

    Por fim, é importante considerar, que muitos dos sistemas planetários que recebem as mensagens de radiotelescópios, podem estar a cerca de 50 mil anos luz de distância da Terra. Sendo assim, os sinais demorariam esse tempo para chegar até lá, e outros 50 mil anos (na velocidade da luz) para retornarem. Enquanto são produzidas tecnologias potenciais para testar essa hipótese, contentemo-nos em lançar mais perguntas: Seriamos os seres vivos da Terra, produtos de uma sucessão de casualidades? O futuro é promissor, aguardemos.

    Referências Bibliográficas:

    COCKELL, C. S. Astrobiology: Understanding life in the Universe. Wiley-Blackwell; 1nd ed. Edição, 2015.

    TARTER, J. C. The evolution of life in the Universe: are we alone? Highlights of Astronomy, vol. 14, p.14-25. 2006.

    Apoio divulgação científica: Samara Autopeças e Barbacena Online.